TEMA CRIADO POR PYZAM AND EDITADO POR EWERTON »

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Tempo perdido

Depois de muito tempo desisto da morte
Não tenho certeza se isso foi sorte
Assim como não sei ao certo se te amar
Poderia ser considerado talvez azar

Pois perdi dias e meses a me magoar
Esquecendo o mundo, somente em ti a pensar
Mesmo assim, não posso me arrepender
Pois com isso muito tive a aprender

Aprendi que devo o que sinto falar
E mostrar o mais rápido possível quando eu amar
para o mesmo erro não mais cometer
E com esses erros tiver de viver

Agora estou pelo mundo a procurar
Algo ou alguém pra me reanimar
Talvez alguém me faça esquecer
Talvez a minha vida apenas eu deva viver

Mesmo que esse dia nunca venha a acontecer
Aproveitaria tudo sem mais tempo a perder
E para sempre terei de lembrar
De todo esse tempo que perdi a te amar

Ewerton H. Marschalk

12 comentários:

laari.amgarten disse...

adorei

amor disse...

adorei esse cordel tambem eu postei ele no meu blog segue eu lá viu ? bjs

Lippe disse...

Muito bom, Cara você é ótimo, devia pensar em publicar os seus textos, em algum lugar que tenha mais mídia, talvez publicar um livro, Todos seus textos são simplesmente brilhantes!

Lippe disse...

Se me permite um conselho, Crie uma pagina no facebook, com o compartilhamento, suas obras serão muito mais visualizadas.

Anônimo disse...

Identifique-me bastante com este texto, realmente profundo e tocante...

Anônimo disse...

Quase

Quase que eu vivi
vivi a alegria
se não fosse a nostalgia
um sorriso em mim relusia

me sinto cansada de lutar
lutar pela minha alegria
e é por isso que eu sou triste
sou mais morta do que viva

Anônimo disse...

Múitto boom PARABENS

Anônimo disse...

Muito bonito...

lilah disse...

Nossa que lindo, parabens xD

lilah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Dacrifilia

Seu corpo desfragmentado em milhões de gotas, se expande.
Fuma.
Sua visão perde-se no sal marinho que embebe
O campo de seus olhos.
Os sons das chuvas nos recorda de uma noite
Em que o frio emanava da obscuridade.
Escuridão que absorve.
Fecha seus olhos, ele está junto a ela; ele fala...
Mas ela já não o olha.
Permanece longínqua; pequena e ausente como um sonho.
Percebe nos lábios o sabor do ardente líquido que escorre pelas maças do rosto.
Semelhanças de lábios dispersos pela pele.
Agora, é impossível fazer emanar essas gotas de sal, quentes e leves.
Essas lágrimas rendem o pútrido de seu coração.
Em torno nada está estável.
Tremor, movimento.
Tudo gira.
Ela se apega ao desejo de recordação.
- Ontem eu me cortei para ver se eu ainda sinto.
Ela não o ouviu ao que ele responde;
Limitou-se a observá-lo.
Vê-lo com os olhos secos.
Idade acertada.
Assustado pelos suplícios dos gestos,
Reconhece a cena, antecipando-se para o fim.
Conhece essa atitude, esse olhar.
Entorta as pálpebras evocando a imagem dele à frente do espelho.
Pequenos cristais em suas bochechas.
Mãos entrelaçadas sobre o rosto.
Absurdo ritual de pudor,
Parece querer cobrir o tesouro;
Esconder o quartzo que dança em suas azuis pupilas,
Pequenos sulcos aquosos, graciosos.
Porções pequenas de açúcar, proteicas e salinizadas.
Secreção preciosa, dulcificada e engordurada.
Sensação de paz agradável surgem através deles.
Estremecimento nidificante que entorpece seu ventre,
Calor que escorre entre suas pernas.
Sorrindo, ele a vira de costas.
Ela o abraça, leva seu rosto entre as mãos,
Carícias aos olhos
Sente o cheiro do sal que os habita.
Prova de seu licor humano,
Absorvendo a umidade embriagante do pranto.
A língua lava seus olhos; a suavidade da língua que encosta a ponta na córnea.
Ele continua a ser
Deseja fazer
É retraído,
Sente a intensidade venenosa de seus lábios
Docemente lascívios, obsessivos e sufocantes.
Influência através de diamantes que escorrem dele.
Nascido para ela.
Ela o faz perfeito
Amo sua capacidade de atuar - sussurra
Ele sorri, olha-a entre lágrimas.
Sexo é uma flor aquosa
Com olhos metálicos que avivam a dor e prazer indecifráveis - assim ele diz.
Ambos conseguem o que necessitam
Na fundição da umidade de sua boca dilacerada em lágrimas.

Orquídea Psicopata

Chin Haesung disse...

Tô chorando
Aaaaaaaaaaa
Me lembra muito minha vida em fake
Falso amor....
E a pessoa é iludido pensando que é verdadeiro
Ai que vem
"tempo perdido"
Amei caralho flw